Campolide,

A Liberdade é a condição natural do Ser Humano.

Por isso, no dia 11 de Novembro, próxima quarta-feira, no Jardim da Amnistia Internacional, em Campolide, Lisboa, juntam-se em palco pela Justiça e a Liberdade de todos os presos políticos em Angola mais de 30 artistas.

Das 18h às 23h, as vozes de Ana Bacalhau, Ana Deus, Ana Moura, Batida, Bob da Rage Sense, Couple Coffee (Luanda Cozetti e Norton Daiello), D'Alva, Dino D' Santiago, Eneida Marta, Francisco Fanhais, Freddy Locks, Gospel Collective, Joana Alegre, Karyna Gomes, Luís Varatojo, Luisa Sobral, Luiz Caracol,Márcia, Milton Gulli, NBC, Octapush c/ Cátia Sá, Samuel Úria, Sara Tavares, Selma Uamusse, Sergio Godinho, Sir Scratch, Terrakota, Tiago Gomes, Vicente Palma, Tó Trips, Rita Red Shoes cantarão "Liberdade". António Macedo e Fernando Alvim disponibilizaram-se para apresentar o espectáculo. Outros artistas enviaram vídeos com as suas palavras de apoio. Todos sobem ao palco pelos presos políticos em Angola, apelando à Justiça e à Liberdade no país.

Os activistas acusados pelo Ministério Público são: Domingos da Cruz, Afonso Matias “Mbanza Hamza”, José Gomes Hata, Hitler Jessia Chiconda “Samussuku”, Inocêncio Brito, Sedrick de Carvalho, Luaty Beirão, Fernando Tomás Nicola, Nelson Dibango, Arante Kivuvu, Nuno Álvaro Dala, Benedito Jeremias, Osvaldo Caholo, Manuel Baptista Chivonde Nito Alves e Albano Evaristo Bingo. Além dos 15 detidos, também Laurinda Gouveia e Rosa Conde vão ser julgadas no mesmo processo, embora aguardem julgamento em liberdade. O caso dos activistas será julgado na 14.ª secção da sala dos crimes comuns do Tribunal Provincial de Luanda em Cacuaco.

Em Cabinda, Marcos Mavungo, detido há mais de sete meses, foi condenado a seis anos de prisão, acusado do crime de rebelião contra o Estado. Em liberdade, ainda, Arão Bula Tempo, presidente do conselho provincial de Cabinda da Ordem dos Advogados, foi formalmente acusado do crime de rebelião e instigação à guerra civil.

Foram muitas as associações e activistas que se juntaram a esta iniciativa: Liberdade Já (Liberdade para os Presos Políticos em Angola), Solidariedade Emigrante - Associação para a Defesa dos Direitos dos Emigrantes (SOLIM), SOS Racismo, LAPA (Liberdade aos Activistas Presos em Angola, TIAC (Transparência e Integridade), Associação Abril (inspirada no legado de Maria de Lurdes Pintasilgo)

Venha assistir a este concerto e exigir: Liberdade Já! A entrada é gratuita.

 

O portal da JFC utiliza cookies de rastreamento anónimo para melhorar a interacção com o Utilizador. Ao continuar a navegação, está a concordar com o uso de cookies.